CPC, CPM, CPA – Conheça os principais formatos de anúncio e saiba como calculá-los!

 Em Marketing

Já falamos aqui no blog sobre anunciar na internet, mas você sabe quais são os formatos de anúncios mais populares disponíveis? No artigo de hoje vamos falar sobre os três principais e como eles são calculados!

 

CPM: o que é como calcular?

Como o nome já sugere, o O CPM (abreviação de “custo por mil”) diz respeito ao gasto gerado a cada mil impressões do anúncio. Quando é escolhido esse formato, já existe um valor pré-determinado para cada mil impressões do seu anúncio. Entretanto, para que seu anúncio tenha mil visualizações, é necessário que seu site já tenha bastante tráfego!

Para calcular o CPM, deve-se usar a seguinte fórmula:

 

CPM = Custo total/ (visualizações/1000)

 

CPC: o que é como calcular?

O CPC (custo por clique) é o formato de anúncio onde a cobrança é realizada de acordo com o número de cliques realizados, ou seja, cada vez que um visitante clica em seu anúncio. Esse é formato utilizado no Google Adwords, por exemplo! Esse é formato é interessante para descobrir o número exato de cliques que seu anúncio, recomendado para quem deseja aumentar o tráfego para seu site.

 

Para calcular o CPC, deve-se usar a seguinte fórmula:

CPC= Custo total/ número de cliques

 

CPA: o que é como calcular?

O CPA (custo por aquisição) é indicado para empresas que já possuem lucros. Nesse modelo, você só paga quando o objetivo é alcançado, seja o download de um e-book, seja uma compra, porém o custo desse formato é mais alto.

 

Para calcular o CPC, deve-se usar a seguinte fórmula:

 

CPA= Total investido/ número de conversões

E você, que modelo de anúncio costuma utilizar em sua empresa de turismo?
Deixe sua opinião nos comentários!
Abraços e até a próxima! :)

 

Fonte:

https://resultadosdigitais.com.br/blog/cpc-cpm-cpa/

Ana Karoline Sousa
Formanda em Publicidade e Propaganda, atua na área de marketing relacionado a turismo. Apaixonada por música, gatos e nerdices, acredita no poder da comunicação e da inovação.
Artigos recomendados

Deixe um comentário